29.3.12

Dia triste

Ontem (28.03), faleceu a Laila de 11 anos, netinha do Antônio. Toda equipe ficou muito triste com a notícia, morte repentina e ainda de uma criança, mexe com qualquer um.

É claro que falamos sobre isso o dia todo, mudança de planejamento, buscamos uma forma de apoiá-lo... porém, num determinado momento, surgiu o assunto gravidez.

Dentre tantos relatos, focados sempre no medo, amor e ansiedade, vou relatar (com as palavras que recordo) apenas um:


"Você não tem idéia do medo que senti... não deixava minha esposa perceber, porque já bastava o medo dela. Nossa única preocupação era que nossa filha nascesse saudável e no dia do exame eu fiquei doido, fiz tudo errado.

O médico disse que teria que levar apenas um DVD, me planejei todo para no dia poder acompanhá-la. Quando estava próximo do horário, fui para a clínica, no caminho percebi que tinha esquecido o DVD na empresa. Não dava tempo de voltar, então fui comprar outro.


No supermercado estava tão aflito com receio de perder o horário, que peguei a primeira mídia que vi e fui para o caixa. Sem trocado, passei no débito e errei a senha até bloquear o cartão. Quando consegui comprar, finalmente fui para a clínica. Só quando cheguei, percebi que comprei um CD no lugar do DVD, não serviu pra nada.


Isso foi pouco, só eu sei o que passei durante os 09 meses com minha mulher. Filmei o parto e acompanhei cada passo dos enfermeiros. E o medo de trocarem minha filha? Tinha que ter certeza né? Agora, passar por tudo isso pra depois não ver a minha filha crescer, por causa de uma morte de forma estúpida? Prefiro nem pensar."


De forma "inconsciente", os meninos optaram por falar sobre a vida e sobre como foi especial o momento da gravidez de suas esposas. Mas depois o silêncio voltou e assim permanecemos por um longo tempo.

Nossa única certeza é que o Antônio perdeu um pedaço do coração e precisa do nosso carinho.

17.11.10

Quem disse que seria fácil?

Faz umas semanas que estou pesquisando sobre... hmm.... nah, sobre um tema aí. Hoje decidi "apresentar" o resultado desta pesquisa e algumas idéias que surgiram após análise dos dados. Viu só, nós de tecnologia também criamos, que história é esta de que não temos conteúdo? rs E aí Google? Você que é a maior incubadora de ideias dos últimos tempos, vai deixar falar assim da gente é? Tem que ver isso aí!

Pois bem, aprovação: 0%. Antes de falar, ainda pensei, se eu que sou uma das mais conservadoras da área, entendo esta nova necessidade, qualquer um vai aceitar fácil. Só que não funciona assim. O engraçado foi escutar: "Isto daria certo com publicitários, funcionários de empresas de tecnologia tem outro perfil" (obviamente lembrei de todos os publicitários que sigo no twitter, ou seja, que karma hahaha).

Fiquei triste. Claro que não é a primeira ideia que foi arquivada, mas acho que mesmo se eu tivesse 90 anos, ficaria triste do mesmo jeito. Cada ideia é única (até as mais tolas), logo, a sensação de "onde errei?" será sempre como a da primeira vez.

Para minha surpresa (algumas horas depois), uma pessoa que não estava na reunião (mas que deveria estar) e que não sabia o que discutimos, me ligou e perguntou qual era meu msn (???). Informei o email, só que estranhei e fui lá verificar. Quando o encontrei, estava todo entretido configurando seu novo messenger e disse: "Quero criar um twitter também, amanhã você me ajuda? Acho moderno ter twitter, não é Ellen?". Foi surreal, só respondi que sim.

Como se não bastasse, ele foi além do messenger e do twitter. Durante a conversa, fez o seguinte comentário: "Disse para a professora da minha filha que está tudo errado. Falei mesmo! Eles querem ensiná-la da mesma forma como aprendi! Aquela escola precisa rever tudo, porque as crianças de hoje são diferentes. O pior é que não vai adiantar mudá-la de escola porque todas são assim." Uma pequena ressalva: a filha dele tem dois anos e adora brincar com os apps do iPhone.

Falei apenas que a observação dele era motivo de uma antiga e eterna discussão entre educadores, infelizmente.

Esta pessoa é um grande profissional, só que não usa gravata, nunca cursou uma universidade, é muito simples, do interiorrr e quem olha não fala que ele tem uma empresa.

Conversar com ele valeu o dia, valeu até o não que eu levei. Não que isto seja importante para alguém, mas eu quis compartilhar mesmo assim.

30.9.10

Da série: tô falando sozinha

A letra já diz tudo.
Dica do mestre @ZeLuizNogueira





Ya no se que hacer conmigo
El Cuarteto de Nos

Ya tuve que ir obligado a misa, ya toque en el piano "Para Elisa"
ya aprendí a falsear mi sonrisa, ya caminé por la cornisa.
Ya cambié de lugar mi cama, ya hice comedia ya hice drama
fui concreto y me fui por las ramas, ya me hice el bueno y tuve mala fama.

Ya fui ético, y fui errático, ya fui escéptico y fui fanático
ya fui abúlico, fui metódico, ya fui impúdico y fui caótico.
Ya leí Arthur Conan Doyle, ya me pasé de nafta a gas oil.
Ya leí a Bretón y a Moliere, ya dormí en colchon y en somier.
Ya me cambié el pelo de color, ya estuve en contra y estuve a favor
lo que me daba placer ahora me da dolor, ya estuve al otro lado del mostrador.

Y oigo una voz que dice sin razón
"Vos siempre cambiando, ya no cambiás más"
y yo estoy cada vez más igual
Ya no se que hacer conmigo.

Ya me ahogué en un vaso de agua , ya planté café en NIcaragua
ya me fui a probar suerte a USA, ya jugué a la ruleta rusa.
Ya creí en los marcianos, ya fui ovo lacto vegetariano.
Sano, fui quieto y fui gitano, ya estuve tranqui y estuve hasta las manos.
Hice el curso de mitoligía pero de mi los dioses se reían.
orfebrería lo salvé raspando y ritmología aqui la estoy aplicando.
Ya probé, ya fumé, ya tomé, ya dejé, ya firmé, ya viajé, ya pegé.
Ya sufrí, ya eludí, ya huí, ya asumí, ya me fuí, ya volví, ya fingí, ya mentí.
Y entre tantas falsedades muchas de mis mentiras ya son verdades
hice fácil adversidades, y me compliqué en las nimiedades.

Y oigo una voz que dice con razón
"Vos siempre cambiando, ya no cambiás más"
y yo estoy cada vez más igual
Ya no se que hacer conmigo.

Ya me hice un lifting me puse un piercing, fui a ver al Dream Team y no hubo feeling
me tatué al Che en una nalga, arriba de mami para que no se salga.
Ya me reí y me importó un bledo de cosas y gente que ahora me dan miedo.
Ayuné por causas al pedo, ya me empaché con pollo al spiedo.

Ya fui psicólogo, fui al teólogo, fui al astrólogo, fui al enólogo
ya fui alcoholico y fui lambeta, ya fui anonimo y ya hice dieta.
Ya lancé piedras y escupitajos, al lugar donde ahora trabajo
y mi legajo cuenta a destajo, que me porté bien y que armé relajo.

Y oigo una voz que dice sin razón
"Vos siempre cambiando, ya no cambiás más"
y yo estoy cada vez más igual
Ya no se que hacer conmigo.